segunda-feira, 9 de junho de 2008

cqc: custe o que custar

ao falar do teste de honestidade feito no brasil (aqui), falei rapidamente, e volto a falar, sobre o programa cqc, custe o que custar, que está cada vez melhor. toda segunda, 22h, na band, é hora de assistir a um programa de qualidade como não se vê faz tempo. importado da argentina para vários países do mundo, a versão brasileira conquista o sucesso merecido a cada nova edição (reprise todo sábado, 20h15).

marcelo tas (lembra do professor tibúrcio do ra-tim-bum?) une-se no palco a rafinha bastos e marco luque para juntos comentarem as reportagens feitas pelos jornalistas rafael cortez, felipe andreoli, oscar filho e danilo gentili.

assim como o original argentino, a marca registrada é o terno preto e os óculos escuros. e, claro, o jeito irreverente e descontraído de se fazer jornalismo, entrevistando as pessoas com perguntas irônicas, sarcásticas, inusitadas e sempre com um toque de humor.

mas além de visitas a festas e ocasiões onde estarão os famosos, uma parte muito boa é o jornalismo social feito por rafinha bastos no quadro 'proteste já', em que ele sempre mostra alguma injustiça ou irregularidade cometida por algum órgão.

nesta segunda, por exemplo, ele tentou fazer uma denúncia no prédio da comissão municipal de direitos humanos, a favor das vagas de carro dos cadeirantes, que não são respeitadas pela população. e o incrível foi que o cadeirante que o acompanhou não conseguiu entrar lá por falta de acesso!

além dessa, todas as outras reportagens de caráter social merecem ser revistas (youtube ou band), como o superfaturamento da merenda escolar, o desmatamento, problema de esgoto, violação de túmulos etc.

o intuito dessas matérias é justamente conversar e levantar questões, por isso é incrível quando não querem recebê-lo ou não aparece alguém para dar uma satisfação. e isso acontece.

assuntos assim precisam ser muito discutidos e os meios de comunicação estão aí pra exercer esse papel. a população agradece.

inclusive deixo meu apoio aos jornalistas do programa que foram proibidos de entrar no congresso/senado. qual o problema se eles fazem perguntas pertinentes, diretas e deixam muitos políticos sem graça? é isso que queremos. melhor, queremos respostas a essas perguntas. é o mínimo que os nosso governantes podem fazer.

leia o comunicado sobre o cqc no congresso e dê o seu apoio.
a liberdade de expressão precisa ser exercida.

5 comentários:

  1. Assisti ao programa ontem também e realmente estava muito bom.

    Uma coisa que revoltou foi o teste de honestidade no Rio de Janeiro, em que praticamente ninguém devolveu o dinheiro que o repórter deixou cair, até que ele foi atrás pra perguntar sobre honestidade e as pessoas, na cara de pau, diziam ser honestas.

    Assim como os taxistas que deram uma enorme volta com o produtor, passando-se por turista, pra cobrar um valor altíssimo numa corrida que seria barata. E depois dizer que são honestos e trabalhadores...

    Não é por ser o Rio, mas vejo que isso é um retrato de todo Brasil. O que envergonha.

    Apoiei a votação também!

    ResponderExcluir
  2. Já ouvi falar que o congresso não cedeu! dá vontade de invadir na marra.

    ResponderExcluir
  3. edu, é um novo programa semanal. dizem que existe uma versão aí na frança.

    mesmo assim, sugiro que veja os vídeos indicados. abraços.

    ResponderExcluir
  4. adoro o programa! mt inteligente!
    e com certeza jah deixei meu voto lah! É revoltante q politicos na cara dura vistam a carapuça e não queiram se justificar!

    ResponderExcluir
  5. Realmente não somos dos povos mais honestos. Porém isso não é um privilégio do 3 mundo. Vi um teste de honestidade na Suécia, Suiça, Belgica e Holando. O resultado foi muito parecido com o nosso. Quando se fala em dinheiro, não existe diferença .. até na desonestidade.
    Abs.

    ResponderExcluir

não será permitido nenhum tipo de discriminação nos comentários assim como nenhum tipo de ofensa ao autor ou aos visitantes. obrigado!

postagens relacionadas