quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

referenciais

desde os tempos da escola (e até hoje) a gente sempre conviveu com os chamados mapas 'eurocentristas', ou seja, que têm a europa no meio e o resto do mundo em volta. isso porque séculos atrás foi de lá que o mundo foi sendo descoberto. é o modelo mais antigo e mais comum que existe e com o qual estamos muito acostumados.

navegando pela internet encontrei alguns mapas com diferentes abordagens, ou seja, mapas cujo referencial é o mais próximo da realidade. por exemplo, se o nosso referencial é o hemisfério sul, deveríamos ver o mapa com este lado para cima, como o mapa logo abaixo. se vocês olharem bem, vão ver que faz mais sentido mesmo (é como se no mapa 'convencional' a gente estivesse de cabeça pra baixo).

esse tipo de mapa com o sul geográfico pra cima é conhecido como 'mapa suleado' (aprendi com o professor de física sérgio lima, em cinemática dos mapas). no caso de outros mapas mais específicos, como de cidades, o mais interessante é que cada ponto cardeal (norte, sul, leste, oeste) esteja orientado com os pontos reais a partir do lugar em que o observador se encontra.

muitos vão olhar esses mapas e pensar: 'prefiro mais o outro mesmo'. tudo é questão de adaptação. as coisas que surgem novas pra gente podem causar um certo desconforto, como o professor sérgio lima colocou. cabe a nós aprendermos a ver as coisas de outras maneiras e abrir os olhos para isso. em pouco tempo vamos ver que o tal desconforto já se foi e a ideia passou a ser melhor aceita pela gente.

e isso vale pra tudo na nossa vida. a começar pelos mapas.

(clique para ampliar)


pretérito perfeito: vamos nos permitir amar!

8 comentários:

  1. Grandes decobertas só são possíveis através da quebra de paradigmas.
    Enxergar as coisas de forma não convencional é o que nos faz evoluir.
    Excelente o post!!!!

    P.S.: Estou voltando às corridas - inclusive já me inscrevi na Adidas.
    Nos vemos lá!!!!

    ResponderExcluir
  2. Fala Railer blz esses dias vc me mandou uma msg no meu blog dizendo que não sabia da corrida do tuplet que eu participei no domingo passado no aterro do flamengo e me sugeriu que eu criasse no meu blog um link com essas corridas pequenas, obrigado pela idéia já criei e te informo que no domingo que vem tem uma corrida de 8km na vila olimpica de nilopolis, inscrições 15 reais e podem ser feitas na hora é uma corrida pequena ja participei algumas vezes e consegui podios na minha faixa etária.
    Sobre o seu relato que vc fez aqui falando sobre mapas, vc me fez lembrar um email que recebi uma vez dizendo que os americanos não reconhecem o estado do amazonas como do Brasil e sim deles que absurdo isso né camarada.
    Bom valeu, bons treinos.

    JORGE CERQUEIRA
    www.jmaratona.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Na verdade, "em cima" e em baixo" não existem, nem um, nem outro. No universo, a Terra flutua e gira e o referencial é arbitrario. A unica coisa que eu acho que tem que se estabelecer é que os mapas tenham sempre o mesmo lado para cima, por uma questão de homogeneidade e facilidade de interpretação. Imagina se o verde dos semaforos fosse em cima e o vermelho em baixo : daria na mesma, do momento que fosse assim no mundo inteiro. :-P

    ResponderExcluir
  4. Caramba! nunca havia pensando nisso, somos ensinados na escola como burros com viseiras, tem aquele lance também que os países ricos ficam em cima e os pobres embaixo, com esse mapa isso cai por terra. Ah, sobre os comentários dos filmes fan edit, eu assisti todos sim! vale muito a pena, infelizmente é muito difícil o download deles, demorei quase um mês para conseguir aqueles.

    ResponderExcluir
  5. Observei como as pessoas não tem exata noção do mundo e ficam bitoladas no mapa tradicional, dando aula. As crianças apesar de conhecerem o mapa não tinham noção que o Japão está digamos a esquerda das Américas. Para explicar a teoria da chegada do homem ao continente americano tive o maior problema. Com o globo terrestre eles entenderam mais ainda ficaram meio desnorteados. Engraçado como temos dificuldade em analisar uma mensagem diferente da que estamos acostumados.
    Adorei o post. bjs

    ResponderExcluir
  6. Ah, falei sobre isso no blog essa semana!
    A mudança no ângulo de visão nos permite ver além do atual e do convencional!
    Descobrimos muitas coisas novas e boas assim!
    Devemos nos permitir!
    Realmente vale pra tudo na nossa vida!
    Muito bom!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Another point of view! Extremamente e constantemente importante!

    ResponderExcluir

não será permitido nenhum tipo de discriminação nos comentários assim como nenhum tipo de ofensa ao autor ou aos visitantes. obrigado!

postagens relacionadas